quinta-feira, 22 de novembro de 2012

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO - MÉTODOS DE AVALIAÇÃO

Iara Silva

Introdução 

Em um mundo com tanta diversidade cultural e ideológica como o nosso, é fundamental que as crianças estejam inseridas nos processos de alfabetização e letramento, processos de aprendizagem indispensáveis e que eles dependem o sucesso no ensino aprendizagem da língua oral e da escrita contextualizada nas escolas atuais.

Ao falarmos sobre alfabetização e letramento, encontramos diversos teóricos que em seus escritos tentam explicar como se dão as práticas de leitura e escrita no processo de alfabetização e letramento. Entre eles destacamos Magda Soares, pois a mesma afirma que “a alfabetização deve se desenvolver em um contexto de letramento como início da aprendizagem da escrita, como desenvolvimento de habilidades de uso da leitura e da escrita nas práticas sociais que envolvem a língua escrita, e de atitudes de caráter prático em relação a esse aprendizado; entendendo que a alfabetização e o letramento, devem ter tratamentos metodológicos diferentes e com isso alcançar o sucesso no ensino aprendizagem da língua escrita, falada e contextualizada nas nossas escolas”. Telma afirma que “a Alfabetização e o Letramento é um desafio permanente. Implica em refletir sobre as práticas e as concepções por nós adotadas ao iniciarmos nossas crianças no mundo da escrita”.

Nesse pressuposto analisaremos os métodos e processo de alfabetização segundo Magda e Telma.

2 Os métodos e processos de alfabetização. 

Desde os primórdios da escolarização da leitura procurou- se desenvolver método que melhor e mais rápido possibilitassem resultados satisfatório aqueles que procuravam aprender a ler e a escrever. Surgiram então os métodos de alfabetização. Estes são basicamente três: os métodos
sintéticos, os analíticos e os analíticos e sintéticos desmembram–se em processos.


2.1 Métodos sintéticos 


O método silábico surgiu no século XVIII como proposta de superação da soletração e deu inicio ao processo de alfabetização a partir da silaba. Nesse métodos acredita –se que no inicio da aprendizagem deve-se começar do mais fácil para o mais difícil, do mais simples para o mais complexo. Ou seja ,primeiro inicia-se com palavras depois frase por ultimo texto.

O método sintético é o mais antigo, tem mais de 2 mil anos; progredia lentamente. Em geral, o aprendiz demorava quatro anos para começar a ler um texto completo. Só após esse período, ele iniciava a aprendizagem da escrita (BARBOSA, 1991, p. 47).


Com a modalidade dos métodos sintéticos, pode-se apresentar os processos alfabéticos, fônicos e o silábico.
O método sintético pode ser dividido em:


2.1.1 Alfabeto ou Soletração 


Esse método parte da letra isolada para depois juntá-la a outras, através das sílabas, é um dos mais antigos métodos de alfabetização, tem como ponto de partida a decoração das letras do alfabeto, depois as famílias das sílabas e por último as palavras.

Na década de 1970 e início de 1980 a maioria dos brasileiros foram alfabetizados pelo método da soletração ou abelhinha através da cartilha Caminho Suave de Branca Alves de Lima que na tentativa de facilitar para as crianças a memorização das letras criou desenhos que continham as iniciais das palavras como por ex: A de abelha, B de bola, C de casa e assim por diante.


2.1.2 Fônico 


Consiste na memorização dos sons das letras antes de fazer a associação com os desenhos que as representam, ou seja, a criança só vai ter contato com a grafia após fixar os sons.
De acordo com Roazzi e Ferraz(op.cit. p.08):


Nos métodos fônicos parte-se do pressuposto de que cada letra dispõe de uma certa autonomia fonética e se baseia nas instituições fonéticas da criança e em sua capacidade de imitação de sons específicos. Basicamente, trata-se de fazer pronunciar as letras, aprendidas uma cada vez, de acordo com seu valor fônico, como se pronunciam enquanto unidades das palavras.


2.1.3 Silábico 



Este método tem como característica a somatória que inicia pelas vogais e pelos encontros vocálicos, depois, ocorre a apresentação do som e da grafia das consoantes. Em seguida, parte-se da junção das consoantes com as vogais formando-se sílabas simples. E por fim os encontros consonantais e as sílabas complexas são apresentados. Observamos o processo no diagrama a seguir:


Métodos sintético = (da parte para o todo)


Processos :


* Fonético ----letras
* Silábico-------Silabas unidades desprovida de sentido.
* Fônicos------fonemas

Fragmento significante


2.2 Métodos analíticos 



A partir de 1890, implementou-se a reforma da instrução pública no estado de São Paulo. Pretendendo servir de modelo para os demais estados, essa reforma se iniciou com a reorganização da Escola Normal de São Paulo e a criação da Escola-Modelo Anexa; em 1896, foi criado o Jardim da Infância nessa escola. Do ponto de vista didático, a base da reforma estava nos novos métodos de ensino, em especial no então novo e revolucionário método analítico para o ensino da leitura, utilizado na Escola-Modelo Anexa (à Normal), onde os normalistas desenvolviam atividades "práticas" e onde os professores dos grupos escolares (criados em 1893) da capital e do interior do estado deveriam buscar seu modelo de ensino.

Segue como contexto contrario ao sintético uma vez, que partem de unidades de analise maiores para depois decompô-las em unidades cada vez menores, partem de palavras, orações e conto(textos) para as letras e silabas.

O método analítico é dividido em:

2.2.1 Palavração 


Neste método primeiro o aluno aprende as palavras só então se faz a separação em sílabas para a formação de novas palavras. Dessa forma é proposto que ela acompanhe pequenos textos.

2.2.2 Sentenciação


Neste método o aluno aprende uma sentença, ou seja, uma frase de acordo com o interesse de todos os alunos, que em seguida é dividida em palavras que novamente serão divididas em sílabas que uma vez aprendidas serão usadas na leitura de novas palavras.

2.2.3 Conto ou texto
Neste método o professor apresenta ao aluno um texto que é lido em voz alta após a leitura é destaca uma frase, uma palavra, até chegar às sílabas ou às letras para formar novas palavras, a ideia fundamental é fazer com que a criança entenda que ler é descobrir o que está escrito.
observe:

Processos:

* Palavração ..........palavras
* Sentenciação......frase unidades significativas
* Conto....................história


Resgate do significado.


2.3 O método analítico-sintético ou misto 


Esse método surgiu para responder as criticas feitas aos métodos sintéticos e aos métodos analíticos. Segundo Morais (2006, p. 59), o método misto e o mais usado atualmente e podemos encontra- lo em duas formas: uma que parte de palavras ou frases e o professor dirige a analise para os elementos que compõem essas estruturas lingüísticas complexas (método analítico sintético de orientação global) e a outra que parte das vogais, as quais são associadas rapidamente as consoantes formando silabas, as quais combinadas uma as outras originam as palavras (método analítico- sintético de orientação sintética).


Em analise aos métodos tradicionais de ensino da leitura Leal,(1996, p.15), afirma:



Apesar de estes modelos pedagógicos apresentarem direferencias em procedimentos metodológicos, há entre eles, alguns pressupostos implícitos que são similares, como uma certa predisposição e não considerar os conhecimentos informais que a criança desenvolve acerca da escrita. Nenhum dos diferentes métodos têm considerado a bagagem de conhecimentos adquiridos pela criança,suas idéias e hipóteses sobre a escrita, antes desta estar na escola e ser alfabetizada (...) há uma desconsideração da capacidade que os aprendizes têm de formular hipóteses, analisar o sistema da língua escrita e usar diferentes estratégias e indícios auxiliares no seu processo de descoberta; assim como uma ausência de consideração das questões relativas ao seu caráter de funcionalidades da escrita.




Segundo Magda a questão do método de alfabetização ainda constitui um impasse na área do ensino e da aprendizagem da língua escrita.  Acredito que nos iludimos, quando julgamos que muitos estejam se interrogando sobre a relevância da busca de um método de alfabetização: talvez a grande maioria daqueles que estão envolvidos na pratica cotidiana da alfabetização continuem afirmando a busca de um método – a pergunta que se fazem, que continuam fazendo é, certamente, qual é o método; fônico? Global?silábico?

Hoje acredita-se que a busca pelo método de alfabetização deve partir de um pressuposto que devemos ensina a leitura e a escrita de maneira que possamos interagir com os alunos de forma dinâmica eles possam aprender. Isso não implica dizer qual o qual o melhor método de ensino empregado atualmente, mas mostrar que cada método apresentado desenvolve no aluno determinadas capacidades.

Um comentário:

  1. Que horror, uma publicação destas é deplorável, só identificados por mim foram nada menos que 22 erros de língua portuguesa, como dar credibilidade em um texto destes?

    ResponderExcluir